Ombro doloroso: Quais as causas ?

  • dornoombro

Dentre as doenças mais freqüentes atendidas no consultório do ortopedista, as queixas referentes ao ombro, só perdem para as da região da coluna.

O que é denominado de ombro é na realidade um conjunto de articulações com tendões e músculos, que proporcionam o maior grau de movimento do corpo. Mas essa grande mobilidade tem sua conseqüência : aumento da instabilidade da articulação e choques entre ossos que levam a compressão de tecidos moles (tendões e músculos) originando dores. A dor pode ser temporária, passageira e desaparecer em curto espaço de tempo ou pode continuar, interferindo na vida diária (até para os simples atos de pentear os cabelos, vestir-se, colocar roupa no varal) e, necessitando nestes casos de diagnóstico exato e tratamento.

Quais são as causas de dores no ombro ?

Lesões de nervos, tumores, infecção, reumatismos, problemas cardíacos e pulmonares, além de dores no abdome devem ser sempre lembrados, pois muitas vezes irradiam-se para o ombro.

A dor é geralmente o principal motivo que traz o paciente à consulta; suas características deverão ser corretamente pesquisadas : início, localização, tipo de irradiação (geralmente para o braço), intensidade e horário do seu aparecimento (dor diurna/noturna). A maioria dos problemas do ombro envolvem mais os tecidos moles, ou seja, músculos, ligamentos e tendões do que propriamente os ossos. A maior parte dos problemas se enquadram dentro de três grandes categorias :

  1. Tendinite / bursite
  2. Traumas / instabilidade
  3. Artrites

Tendinite / bursite : O tendão é um cordão que conecta o músculo ao osso. O ombro é movimentado e mantido no lugar por, basicamente, um conjunto de quatro tendões. Este conjunto é denominado manguito rotador. Tendinite aguda ocorre quando há um excesso de uso do tendão, por esporte (natação, voleibol, tênis, ginástica)  ou trabalhos repetitivos com as mãos (digitadores, encadernadores, afazeres domésticos, empacotadores).  Já a tendinite crônica faz parte do processo de envelhecimento própria do tendão (e do organismo), que com o passar do tempo pode se romper. O uso repetitivo e excessivo do ombro, através de anos contribui para que isso ocorra. Cerca de 25% daqueles que chegam a idade de 65 anos têm algum grau de lesão de tendão no ombro. A lesão do tendão também pode ser ocasionada por um trauma agudo sobre o ombro, provocando dor e limitação dos movimentos.  A dor à noite é uma das características desta doença.  Às vezes o uso excessivo do ombro leva à inflamação da  bursa, o que é conhecido como bursite. Bursas são tecidos elásticos localizadas ao redor das articulações com o objetivo de diminuir o impacto causado pelos movimentos.

Traumas / instabilidade: Quando os ossos da articulação do ombro, por trauma ou quando são forçados ao extremo, movimentam-se além da sua posição normal, podem “sair fora” da sua localização anatômica. Tal condição é denominada luxação. As causas de luxação podem ser traumáticas ou não. A instabilidade do ombro pode levar a episódios repetitivos de luxação, às vezes até com simples movimentos do braço. Quando o ombro “sai do lugar” com freqüência pode haver indicação de cirurgia para se solucionar o problema. Diversos deslocamentos do ombro podem levar a lesão completa ou parcial dos tendões do ombro.

Artrites: Ombro doloroso também pode ter como causa artrites, que é um desgaste da articulação por causas degenerativas, inflamatórias ou por pequenos traumas de repetição (overuse = excesso de uso), provocando dor, inchaço e endurecimento do ombro.  O tratamento envolve uma modificação das atividades (trabalho, esporte) e fisioterapia na tentativa de melhorar a força do ombro e sua flexibilidade.

Tratamento: Certos problemas, como luxação do ombro de origem traumática e recidivante ou lesão do manguito rotador podem necessitar de cirurgia. A história e um bom exame do paciente são essenciais para se descobrir a verdadeira causa de dor no ombro e orientar o tratamento adequado, evitando desta forma exames e procedimentos desnecessários. Cirurgia pode ser necessária em certos casos, entretanto 90% dos pacientes que têm ombro doloroso, diagnosticados e tratados corretamente, respondem bem com medidas terapêuticas não cirúrgicas (medicamentos, fisioterapia e acupuntura).

DR. MARCUS VINÍCIUS BAPTISTA CREMESP 74.202 Especialista pela Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia – TEOT 7158 Especialista pela Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia de Ombro e Cotovelo.
Contato : ortopedia@terra.com.br

in aj lee online